Barbosa rejeita recurso e manda prender deputado João Paulo Cunha

» Nacional

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, rejeitou nesta segunda-feira (6) recurso do deputado federal João Paulo Cunha no processo do mensalão e determinou que seja iniciado o cumprimento da pena de prisão pelos crimes de corrupção passiva e peculato.

A Polícia Federal, responsável por realizar a prisão, informou que, até as 18h10, ainda não tinha recebido a ordem para prender o deputado. O advogado Alberto Toron, que representa João Paulo Cunha, disse que seu cliente vai se apresentar à Polícia Federal até esta terça (7). Toron informou que entrou em contato com o Supremo para acertar o local de apresentação do deputado, que, segundo a assessoria, estava em Brasília nesta segunda. A assessoria negou que ele tenha a intenção de renunciar ao mandato.

João Paulo Cunha, ao se defender na Câmara das condenações (Lucio Bernardo Jr./Câmara)

João Paulo Cunha, ao se defender na Câmara das
condenações (Lucio Bernardo Jr./Câmara)

Ex-presidente da Câmara dos Deputados, Cunha foi condenado no julgamento do processo do mensalão, em 2012, a 9 anos e 4 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato.

A execução da pena determinada por Barbosa se refere somente às punições por corrupção passiva e peculato, que somam seis anos e quatro meses de prisão. Como a soma das condenações pelos dois crimes é inferior a oito anos, Cunha poderá iniciar o cumprimento da pena de prisão em regime semiaberto (pelo qual o preso pode sair durante o dia para trabalhar e voltar à noite para dormir na cadeia).

Em dezembro, a defesa de Cunha entrou com embargos infringentes contra as condenações por corrupção e peculato. Mas, pelo regimento do Supremo, esse tipo de recurso só é admissível se o condenado obteve no julgamento ao menos quatro votos favoráveis – nos dois crimes que questionou, Cunha obteve dois votos a favor.

No caso da condenação por lavagem de dinheiro, a pena de três anos de reclusão ainda não transitou em julgado (ou seja, não estão esgotadas as possibilidades de recurso) porque o STF terá de fazer uma nova análise do caso – em relação à lavagem, Cunha obteve cinco votos pela absolvição.

João Paulo Cunha foi acusado de receber R$ 50 mil no ano de 2003, quando era presidente da Câmara, para beneficiar agência de Marcos Valério – apontado como o “operador” do mensalão – em contratos com a Casa. O deputado sustenta que os contratos de publicidade contratados foram cumpridos, conforme atestam, segundo ele, relatórios do Tribunal de Contas da União (TCU) e da Polícia Federal.

‘Protelatório’
Joaquim Barbosa justificou a rejeição do recurso apresentado pelo deputado com o argumento de que é “protelatório”.

“Nego seguimento ao recurso do embargante quanto aos crimes de corrupção passiva e peculato relativo à contratação da empresa SMP&B por faltar-lhe requisito objetivo essencial de admissibilidade e por considerá-lo meramente protelatório. Determino, como consequência, a imediata certificação do trânsito em julgado quanto a essas condenações e o início da execução do acórdão condenatório”, determinou Barbosa, que é o relator da ação do mensalão.

Como Cunha ainda é deputado federal, Joaquim Barbosa deverá enviar à Câmara ofício notificando o Legislativo da prisão.

Com isso, deverá ser aberto pela Mesa Diretora processo de cassação do mandato parlamentar.

Os demais deputados federais que foram presos pelo Supremo por condenações no julgamento do mensalão – José Genoino, Pedro Henry e Valdemar Costa Neto – optaram por renunciar ao mandato e evitar o processo de cassação.

De acordo com a Secretaria-Geral da Mesa da Câmara dos Deputados, caso o deputado decida pela renúncia, o pedido será publicado no dia seguinte no “Diário Oficial da Câmara”. Como os parlamentares estão em período de recesso, não haverá necessidade de leitura do pedido no plenário da Casa, e a renúncia valerá automaticamente após a publicação.

 

G1.com

Compartilhar

0 nenhum comentáriovoltar para notícia

Adicione seu comentário

Nome:
Email:
Site:
Comentário:

Current day month ye@r *


Artigo com as "tags": decisão,  João Paulo Cunha,  STF, 

Outros artigosir para Home

RS: pai e madrasta foram a festa 1 dia após morte de menino

RS: pai e madrasta foram a festa 1 dia após morte de menino

O pai e a madrasta do menino Bernardo, 11 anos, que foi encontrado morto em Frederico Westphalen (RS), foram vistos em uma festa em 5 de abril em Três de Maio, a cerca de 80 quilômetros de Três Passos, onde o casal reside. Segundo o atestado de óbito, a criança foi morta um dia antes

PF indicia doleiro e ex-diretor da Petrobras na operação Lava Jato

PF indicia doleiro e ex-diretor da Petrobras na operação Lava Jato

A Polícia Federal (PF) concluiu o relatório da operação Lava Jato, que investiga um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas, e indiciou 46 pessoas, entre elas o ex-diretor da área de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, e o doleiro Alberto Youssef, acusado de ser um dos líderes do negócio. Agora caberá

Nestor Cerveró diz que compra de refinaria foi um bom negócio

Nestor Cerveró diz que compra de refinaria foi um bom negócio

A compra da Refinaria de Pasadena (EUA) pela Petrobras não foi um mau negócio, segundo o ex-diretor da área internacional da empresa brasileira, Nestor Cerveró. Ele explicou que o empreendimento no Texas perdeu valor quando a estatal redefiniu prioridades e concentrou os investimentos na exploração do pré-sal. Hoje (16), durante uma audiência na Câmara, Cerveró

Roberto Carlos cobra R$ 25 milhões para ceder a música “Esse Cara Sou Eu”

Roberto Carlos cobra R$ 25 milhões para ceder a música “Esse Cara Sou Eu”

A equipe de marketing da Chevrolet ficou surpresa com o preço cobrado pelo cantor Roberto Carlos para ceder a música “Esse Cara Sou Eu” para uma propaganda. A marca faria um comercial com a música, só que trocaria a palavra “cara” da canção por “carro”. O cantor cobrou R$ 25 milhões. Segundo o colunista Ricardo Feltrin,

Sedativo usado na clínica do pai é achado em corpo de menino

Sedativo usado na clínica do pai é achado em corpo de menino

Exames apontam que foi identificado no corpo de Bernardo Uglione Boldrini, 11 anos, um anestésico usado na clínica do pai, o médico Leandro Boldrini. A informação reforça a tese da Polícia Civil que o cirurgião sabia do crime. O garoto teria sido assassinado com uma injeção letal depois de ser dopado. As informações são da

leia mais

Informação e Contato

O Jornal MS é focado em conteúdo de notícias gerais, políticas, policiais, automotivas, tecnológicas, serviços, entretenimento, esportes, além de vídeos compartilhados.

Notícias do Mato Grosso do Sul e do mundo!

Redes Sociais

Categorias mais populares